You are here
Home > Análises e Opiniões > Cenário Brasileiro > A quem interessa o intervencionismo estatal

A quem interessa o intervencionismo estatal

Se há uma coisa que não interessa para a maioria esmagadora das grandes empresas brasileiras (aquelas do clube do bilhão) é o livre mercado. Estas estão muito bem, recebendo benesses governamentais, subsídios para manterem seus monopólios e socorro quando sua incompetência é escancarada.

Se ilude profundamente quem acredita que o livre mercado favorece os gigantes, pelo contrário, ele é o terror dos incompetentes e o maior desafio de gestão que uma empresa pode enfrentar. Ele limita o crescimento das empresas, não aceita a estagnação, não permite a má prestação de serviços e não permite a exploração desenfreada da mão de obra e do consumidor…

Nenhum monopolista sonha com isso… O mundo estável e protegido é que se trata do verdadeiro sonho dos gigantes corporativos e o pesadelo dos trabalhadores e consumidores. Por isso que as elites brasileiras querem exatamente um governo como o do PT que lhes proteja e lhes provenha com margens estratosféricas, enquanto cria barreiras intransponíveis para que qualquer novo concorrente possa criar dificuldades a estas empresas. Um governo que retira compulsoriamente da população, para transferir a esses grandes monopólios, oligopólios e cartéis que dominam nosso setor produtivo, por meio da mão forte do governo.

Leonardo Terra
Leonardo Terra
Mestre e Doutor em ciências pelo programa de Administração de Organizações da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, na Universidade de São Paulo (FEARP - USP). Possui MBA executivo em Gerenciamento de Projetos pela Fundação Getúlio Vargas e Graduação em Administração de Empresas pela FEARP - USP. Atua como professor, pesquisador e consultor na área de estratégia e desenvolvimento organizacional, explorando os princípios que regem os sistemas socioeconômicos por meio da matemática do caos e da epistemologia sistêmica e suas aplicações no processo estratégico e nas interações sistêmicas das organizações. Vencedor do West Churchman Memorial Prize em 2014.
http://lattes.cnpq.br/3022429953017645

Deixe uma resposta

Top