You are here
Home > Análises e Opiniões

Irã assume que sua Guarda Revolucionária derrubou o avião civil ucraniano – repercussão internacional (ongoing report)

O Governo do Irã assumiu a responsabilidade pela derrubada do avião ucraniano (vôo 752, que havia decolado com 176 a bordo, de Teerã com destino à Ucrânia), com um míssil antiaéreo, depois de 3 dias de negativas veementes. Em um tuite, o Presidente do Irã, Hassan Rouhani, reconheceu que as

Irã fraturado: repercussão interna da derrubada do avião civil ucraniano (ongoing report)

Após negar veementemente, a ditadura teocrática do Irã (imanado ou califado) finalmente admitiu ter derrubado o avião civil da Ucrânia com 176 pessoas a bordo por engano. Em Teerã, manifestantes pedem a renúncia do governo e o príncipe Reza Pahlevi condena o ataque e chama o governo de incompetente.

A democracia incomoda: sobre o discurso da polarização

As forças que se alardeiam como as mais "progressistas" e democráticas vivem afirmando que vivemos uma excessiva "polarização" política. Nos EUA, muitos atribuem tal "polarização" à eleição do Trump e no Brasil à eleição do Bolsonaro. Muitos acreditam que essa "polarização" é devido às redes sociais, enquanto outros acham que

Líbia: situação e perpectivas

Na Líbia, existe agora o medo da intervenção turca no conflito entre o governo de Fayez al-Sarraj e o homem forte do leste da Líbia, o marechal de campo Haftar. O parlamento turco autorizou na quinta-feira o presidente Recep Tayyip Erdogan a enviar o exército para a Líbia para apoiar

A eliminação do general da guarda revolucionária do Irã e suas implicações

Qassem Soleimani Hajj Qasem, o "comandante das sombras", o "inimigo mais perigoso de Israel", foi morto no Iraque ao lado de seu principal discípulo Abu Mahdi al-Muhandis. Um ataque aéreo perto ou no Aeroporto Internacional de Bagdá atingiu uma carreata com os homens apenas alguns dias depois que seus seguidores invadiram

Eleições 2020 nos EUA, Israel e Europa

Trump, Johnson e Netanyahu

Tudo indica que a onda política da direita nacionalista deve manter sua força em 2020, com a reeleição do Trump nos Estados Unidos e a manutenção do Benjamin Netanyahu como PM de Israel. Há sinais de que o movimento de renovação europeu, que vem ganhando intensidade com a escolha do

Top